Rua Pastor Samuel Munguba, 703 - Rodolfo Teófilo, Fortaleza - CE, 60430-375
petfarmacia@ufc.br

Segundo hipótese de cientistas, paciente é curado de linfoma de Hodgkin após infecção pelo SARS-CoV-2.

Segundo hipótese de cientistas, paciente é curado de linfoma de Hodgkin após infecção pelo SARS-CoV-2.

O linfoma de Hodgkin é um câncer de origem linfática que se espalha de maneira ordenada pelos linfonodos através de vasos linfáticos. A doença se desenvolve quando um linfócito, em suma do tipo B, multiplica-se desenfreadamente nos linfonodos. Com o tempo, a doença consegue se disseminar para outros tecidos do corpo, mas atinge com maior frequência a região toráxica e o pescoço. Acomete em sua maioria, adolescentes e adultos com 15 a 39 anos e idosos acima de 75 anos, e quanto ao sexo, o homem é mais propenso a desenvolver este linfoma.

Um estudo de caso publicado no “British Journal of Haematology” associou a cura de um paciente de 61 anos que possuía este câncer com a sua contaminação pelo vírus SARS-CoV-2. Segundo os autores, a hipótese é que a infecção tenha desencadeado uma resposta imune ao tumor, como descrito em outros casos de pacientes com o linfoma de Hodgkin.

Fonte: British Journal of Haematology

O paciente que ficou internado durante 11 dias, foi testado positivo através do teste RT-PCR para Covid-19, e durante esse período não foi tratado com uso de corticóides ou por quimioterapia.

 

O coordenador do Programa de Hematologia e Transplantes de Medula Óssea do Hospital Israelita Albert Einstein afirma que esses casos são raríssimos e alerta que ninguém com este tipo de linfoma deve se expor ao vírus. 



Fonte: G1/INCA

 

Nenhum comentário

Adicione seu comentário